Quem escreve

Quem escreve
Júlia Evelyn. Soteropolitana. Envol(vida) com o que me dá vida. Me encontro em moda, arte e beleza. Onde também me permito me perder.

Acessos

Seguidores

Postagens do blog

Tecnologia do Blogger.
domingo, 8 de maio de 2011


Quando estamos dentro dela, ela já sente um amor imenso por nós, sem ao menos nunca tocar ou nos ver. Ela nos carrega por nove meses, aguenta todas as dores da gravidez, nos protege, para de comer um monte de coisa por medo de nos afetar ou fazer mal. E depois? Depois ela nos amamenta, acorda durante a madrugada pra pararmos de chorar e assim vai por mais longos anos. Quando crianças, vem toda aquela preocupação, aquele mimo de não querer que chore no primeiro dia de escola, prepara nossa lancheira de algum personagem de desenho animado e nos leva, ainda assim preocupada, na maioria das vezes mais nervosas do que nós. Ai vem a adolescência, uma fase que eu realmente não entendo como nos aguentam. Ficamos nervosos com tudo, xingamos tudo e todos, ela sempre está errada ou não nos entendem, e acabamos discutindo. Mas, sempre, sempre mesmo, voltamos cinco minutos depois abraçando-as e pedindo desculpas. Durante a adolescência vem os problemas com relacionamentos, e quem nos ajuda? Mãe. Ela tem aquele poder de saber o que vai acontecer e aquele tal de “sexto sentido feminino” ou “intuição de mãe”, que me assusta, realmente me assusta. Como elas podem saber tanto sobre relacionamentos? Incrível. Nos dias em que tudo da errado, ela chega com aquele abraço que melhora tudo, dizendo que é só o começo e que temos muito que aprender sobre a vida, e depois, se o negócio foi feio ela fala “eu bem que te avisei”, mas mesmo assim, é bom. Eu cansei já de falar que não aguento mais minha mãe, as vezes ela é tão sufocante e super-protetora que cansa, irrita, mas eu sei que se um dia ela não estiver mais aqui, eu vou sentir tanto a falta disso tudo, desse amor todo, que nunca haverá igual. Então, mãe, quero lhe dedicar esse texto, e dizer que você é absolutamente t u d o pra mim e sem você, eu não vivo… Eu te amo, em todos os idiomas, de todos os jeitos. Apenas, te amo.
(Autor não identificado - Via Tumblr)

3 Comentaram:

bonequinha nota mil disse...

QUE LINDO!
BEIJOS!
http://blendamenezes.blogspot.com

Hana disse...

Lindas, vc e sua mae se parecem mto!!

bjiimm

http://muslimahfashionn.blogspot.com/

nataliaserena793 disse...

buaaa este post me fez refletir profundamente!que lindooooo!